Pé diabético

pe diabetico

A insulina é o hormônio responsável por controlar a glicemia no organismo. Quando esse hormônio não é produzido em quantidade suficiente, ou usado corretamente pelo organismo, ocorre o diabetes, cujo um dos efeitos é a hiperglicemia (aumento da taxa de açúcar no sangue). As complicações agudas ou crônicas nos pés das pessoas diabéticas, causadas pela hiperglicemia, são denominadas de pé diabético.

A taxa elevada de açúcar no sangue prejudica o organismo e pode gerar complicações neurológicas, dermatológicas, ortopédicas e vasculares. Nos casos mais graves, pode ocorrer, inclusive, a gangrena.

Responsáveis por sustentar todo o peso do corpo, os pés merecem atenção especial e cuidados diários. As alterações neuro-vasculares do pé diabético podem causar formigamentos, câimbras e diminuição da pulsação arterial. Como consequência, podem surgir feridas de difícil cicatrização, com potencial de causar incapacidade física, invalidez precoce e até mesmo amputações.

Isso acontece porque, devido à má circulação arterial nas pernas, o sangue rico em nutrientes e oxigênio chega aos pés em menor quantidade. Caso haja algum tipo de ferida na região, as demandas metabólicas no local aumentam para combater os agentes infecciosos e possibilitar a cicatrização. Nessas situações, um fluxo sanguíneo reduzido pode não ser suficiente, e o quadro evolui de maneira desfavorável.

Por meio de exames específicos, é possível avaliar se a circulação nas pernas do paciente está comprometida. Se for o caso, procedimentos como a angioplastia e as pontes de safena podem amenizar o problema, diminuindo os riscos de amputação.

Prevenção é o melhor remédio

Se você é diabético ou possui histórico da doença na família, peça para seu médico avaliar regularmente a sensibilidade e a pulsação dos seus pés. Caso seja detectado algum problema de circulação, procure o quanto antes um cirurgião vascular para receber as orientações adequadas. 

Além disso, o diabético deve cuidar diariamente das unhas e da pele dos pés, mantendo-os hidratados, com as unhas cortadas e sem retirar as cutículas. Se houver calos ou rachaduras, o ideal é consultar um podólogo para tratar da forma correta. Cuide bem dos seus pés e evite complicações!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *